Glossário

Este glossário tem por objetivo ser uma lista padronizada e abrangente da terminologia do Kubernetes. Inclui termos técnicos específicos do K8s, além de termos mais gerais que fornecem um contexto útil.

Filtrar termos de acordo com suas tags

Componentes internos do Kubernetes.
Relacionado ao desenvolvimento do código aberto do Kubernetes.
Tipos de recursos que o Kubernetes suporta por padrão.
Personalizações suportadas pelo Kubernetes.
Conteúdo relevante para um usuário iniciante do Kubernetes.
Como os componentes do Kubernetes comunicam-se uns com os outros (e com programas fora do cluster).
Inicialização e manutenção do Kubernetes.
Mantendo aplicações do Kubernetes seguras.
Como as aplicações que rodam no Kubernetes manipulam dados persistentes.
Software que torna a utilização do Kubernetes mais fácil ou melhor.
Representa um tipo comum de usuário do Kubernetes.
Aplicações rodando no Kubernetes.
Arquitetura Comunidade Objetos Padrão Extensão Fundamental Rede Operação Segurança Armazenamento Ferramentas Tipos de Usuário Carga de Trabalho Selecionar tudo Desmarcar tudo

Clique nos [+] indicadores abaixo para uma maior explicação sobre um termo em particular.

  • Admission Controller

    A piece of code that intercepts requests to the Kubernetes API server prior to persistence of the object.

    [+]

    Admission controllers are configurable for the Kubernetes API server and may be "validating", "mutating", or both. Any admission controller may reject the request. Mutating controllers may modify the objects they admit; validating controllers may not.

  • Affinity

    In Kubernetes, affinity is a set of rules that give hints to the scheduler about where to place pods.

    [+]

    There are two kinds of affinity:

    The rules are defined using the Kubernetes labels, and selectors specified in pods, and they can be either required or preferred, depending on how strictly you want the scheduler to enforce them.

  • Agente de execução de contêiner

    O agente de execução (runtime) de contêiner é o software responsável por executar os contêineres.

    [+]

    O Kubernetes suporta diversos agentes de execução de contêineres: Docker, containerd, CRI-O, e qualquer implementação do Kubernetes CRI (Container Runtime Interface).

  • Anotação

    Um par de chave-valor (key-value) é usado para anexar metadados arbitrários não identificáveis a objetos.

    [+]

    Os metadados em uma anotação podem ser pequenos ou grandes, estruturados ou não estruturados, e podem incluir caracteres não permitidos pelos rótulos. Clientes como ferramentas e bibliotecas podem recuperar esses metadados.

  • API server
    Também conhecido como:kube-apiserver

    O servidor de API é um componente da Camada de gerenciamento do Kubernetes que expõe a API do Kubernetes. O servidor de API é o front end para a camada de gerenciamento do Kubernetes.

    [+]

    A principal implementação de um servidor de API do Kubernetes é kube-apiserver. O kube-apiserver foi projetado para ser escalonado horizontalmente — ou seja, ele pode ser escalado com a implantação de mais instâncias. Você pode executar várias instâncias do kube-apiserver e balancear (balanceamento de carga, etc) o tráfego entre essas instâncias.

  • API-initiated eviction

    API-initiated eviction is the process by which you use the Eviction API to create an Eviction object that triggers graceful pod termination.

    [+]

    You can request eviction either by directly calling the Eviction API using a client of the kube-apiserver, like the kubectl drain command. When an Eviction object is created, the API server terminates the Pod.

    API-initiated evictions respect your configured PodDisruptionBudgets and terminationGracePeriodSeconds.

    API-initiated eviction is not the same as node-pressure eviction.

  • Aplicações
    A camada onde vários aplicativos em contêiner são executados. [+]

    A camada onde vários aplicativos em contêiner são executados.

  • App Container

    Application containers (or app containers) are the containers in a pod that are started after any init containers have completed.

    [+]

    An init container lets you separate initialization details that are important for the overall workload, and that don't need to keep running once the application container has started. If a pod doesn't have any init containers configured, all the containers in that pod are app containers.

  • Aprovador

    Uma pessoa que pode revisar e aprovar as contribuições do código Kubernetes.

    [+]

    Embora a revisão de código esteja focada na qualidade e correção, a aprovação está focada na aceitação integral de uma contribuição. A aceitação inclui a retrocompatibilidade e compatibilidade futura, adesão a convenções de API e de flags, problemas sutis de desempenho e correção, interações com outras partes do sistema, etc. O status do aprovador tem escopo para uma parte código. Os aprovadores eram anteriormente referidos como mantenedores.

  • Arquiteto de Aplicativos

    É uma pessoa responsável pelo projeto de alto nível de uma aplicação.

    [+]

    Um arquiteto garante que a implementação de uma aplicação permita que ela interaja com seus componentes de maneira escalável e sustentável. São componentes em torno da aplicação: bancos de dados, infraestrutura de log e outros microsserviços.

  • Arquiteto de Cluster

    Uma pessoa que projeta infraestrutura que envolve um ou mais clusters Kubernetes.

    [+]

    Os arquitetos de clusters estão preocupados com as melhores práticas para sistemas distribuídos, por exemplo: alta disponibilidade e segurança.

  • cAdvisor

    cAdvisor (Container Advisor) provides container users an understanding of the resource usage and performance characteristics of their running containers.

    [+]

    It is a running daemon that collects, aggregates, processes, and exports information about running containers. Specifically, for each container it keeps resource isolation parameters, historical resource usage, histograms of complete historical resource usage and network statistics. This data is exported by container and machine-wide.

  • Camada de Agregação

    A camada de agregação permite que você instale APIs adicionais no estilo Kubernetes em seu cluster.

    [+]

    Depois de configurar o Servidor da API do Kubernetes para suportar APIs adicionais, você pode adicionar objetos APIService para obter a URL da API adicional.

  • Camada de gerenciamento
    A camada de gerenciamento de contêiner que expõe a API e as interfaces para definir, implantar e gerenciar o ciclo de vida dos contêineres. [+]

    A camada de gerenciamento de contêiner que expõe a API e as interfaces para definir, implantar e gerenciar o ciclo de vida dos contêineres.

  • Carga de Trabalho

    Uma carga de trabalho é uma aplicação sendo executada no Kubernetes.

    [+]

    Vários objetos principais que representam diferentes tipos ou partes de uma carga de trabalho incluem os objetos DaemonSet, Deployment, Job, ReplicaSet, e StatefulSet.

    Por exemplo, uma carga de trabalho que tem um servidor web e um banco de dados pode rodar o banco de dados em um StatefulSet e o servidor web em um Deployment.

  • Certificado

    Um arquivo criptograficamente seguro usado para validar o acesso ao cluster Kubernetes.

    [+]

    Os certificados permitem que aplicativos dentro de um cluster Kubernetes acessem a API do Kubernetes com segurança. Os certificados validam que os clientes têm permissão para acessar a API.

  • cgroup (control group)

    Um grupo de processos do Linux com isolamento de recursos opcional, contagem e limites.

    [+]

    cgroup é uma funcionalidade do núcleo de sistema do Linux que limita, conta e isola o uso de recursos (CPU, memória, entrada e saída de disco, rede) para um conjunto de processos.

  • CIDR

    CIDR (em inglês - Classless Inter-Domain Routing) é uma notação para descrever blocos de endereços IP e é muito usada em várias configurações de rede.

    [+]

    No contexto do Kubernetes, cada recebe um intervalo de endereços IP através do endereço inicial e uma máscara de sub-rede usando CIDR. Isso permite que os Nodes atribuam a cada Pod um endereço IP exclusivo. Embora originalmente seja um conceito para IPv4, o CIDR também foi expandido para incluir IPv6.

  • CLA (Contrato de Licença de Colaborador)

    Termos sob os quais um colaborador concede uma licença a um projeto de código aberto por suas contribuições.

    [+]

    Os CLAs ajudam a resolver disputas legais envolvendo material contribuído e propriedade intelectual.

  • Cloud Native Computing Foundation (CNCF)

    A Cloud Native Computing Foundation (CNCF) constrói um ecossistema sustentável e promove uma comunidade no entorno dos projetos que orquestram contêineres como parte de uma arquitetura de microserviços.

    Kubernetes é um projeto CNCF.

    [+]

    A CNCF é uma sub-fundação da Linux Foundation. Sua missão é tornar a computação nativa em nuvem onipresente.

  • Cluster

    Um conjunto de servidores de processamento, chamados nós, que executam aplicações containerizadas. Todo cluster possui ao menos um servidor de processamento (worker node).

    [+]

    O servidor de processamento hospeda os Pods que são componentes de uma aplicação. O ambiente de gerenciamento gerencia os nós de processamento e os Pods no cluster. Em ambientes de produção, o ambiente de gerenciamento geralmente executa em múltiplos computadores e um cluster geralmente executa em múltiplos nós (nodes) , provendo tolerância a falhas e alta disponibilidade.

  • Colaborador de Código

    Uma pessoa que desenvolve e contribui com código para o código aberto do Kubernetes.

    [+]

    Eles também são membros da comunidade ativos que participam de um ou mais Grupos de Interesse Especial (SIGs).

  • Complementos

    Recursos que estendem a funcionalidade do Kubernetes.

    [+]

    Instalando Complementos explica mais sobre a utilização de complementos em seu cluster e lista alguns complementos populares.

  • ConfigMap

    Um objeto da API usado para armazenar dados não-confidenciais em pares chave-valor. Pods podem consumir ConfigMaps como variáveis de ambiente, argumentos de linha de comando ou como arquivos de configuração em um volume.

    [+]

    Um ConfigMap ajuda a desacoplar configurações vinculadas ao ambiente das imagens de contêiner, de modo a tornar aplicações mais facilmente portáveis.

  • Container Lifecycle Hooks

    The lifecycle hooks expose events in the Container management lifecycle and let the user run code when the events occur.

    [+]

    Two hooks are exposed to Containers: PostStart which executes immediately after a container is created and PreStop which is blocking and is called immediately before a container is terminated.

  • Container network interface (CNI)

    Plugins Container network interface (CNI) são um tipo de plugin de Rede em conformidade com a especificação appc/CNI.

    [+]
  • Container Runtime Interface

    The main protocol for the communication between the kubelet and Container Runtime.

    [+]

    The Kubernetes Container Runtime Interface (CRI) defines the main gRPC protocol for the communication between the cluster components kubelet and container runtime.

  • Container runtime interface (CRI)

    A interface de execução de contêiner (CRI) é uma API para agentes de execução de contêineres se integrarem com o kubelet em um nó.

    [+]

    Para maiores informações, veja as APIs e especificações do CRI.

  • containerd

    Um agente de execução de contêiner com enfase em simplicidade, robustez e portabilidade

    [+]

    containerd é um agente de execução de contêiner que executa um serviço no Linux ou Windows. containerd é responsável por buscar e armazenar as imagens de contêiner, executar contêineres, prover acesso à rede e mais.

  • Contêiner

    Uma imagem executável leve e portável que contém software e todas as suas dependências.

    [+]

    Contêineres desacoplam aplicações da infraestrutura da máquina em que estas rodam para tornar a instalação mais fácil em diferentes ambientes de nuvem e de sistemas operacionais, e para facilitar o escalonamento das aplicações.

  • Contributor

    Someone who donates code, documentation, or their time to help the Kubernetes project or community.

    [+]

    Contributions include pull requests (PRs), issues, feedback, special interest groups (SIG) participation, or organizing community events.

  • Controlador

    No Kubernetes, controladores são ciclos de controle que observam o estado do seu cluster, e então fazer ou requisitar mudanças onde necessário. Cada controlador tenta mover o estado atual do cluster mais perto do estado desejado.

    [+]

    Controladores observam o estado partilhado do cluster através do apiserver (parte do Camada de gerenciamento).

    Alguns controladores também correm dentro do plano de controle, fornecendo ciclos de controle que são centrais às operações do Kubernetes. Por exemplo: o controlador de deployments, o controlador de daemonsets, o controlador de namespaces, e o controlador de volumes persistentes (persistent volumes) (e outros) todos correm dentro do kube-controller-manager.

  • CRI-O

    Uma ferramenta que permite você usar agentes de execução de contêineres OCI com o CRI do Kubernetes

    [+]

    CRI-O é uma implementação do Container runtime interface (CRI) que permite usar agentes de execução de contêiner compatíveis com as especificações da Open Container Initiative (OCI).

    Usar o CRI-O permite ao Kubernetes utilizar-se de qualquer agente de execução compatível com o OCI para executar Pods, e obter imagens de contêineres de registros remotos.

  • CronJob

    Gerencia uma tarefa que é executada periodicamente.

    [+]

    Semelhante a uma linha em um arquivo crontab, um objeto CronJob especifica um cronograma usando o formato cron.

  • CustomResourceDefinition

    Código customizado que define um recurso a ser adicionado ao seu servidor de API Kubernetes sem a necessidade de construir um servidor customizado.

    [+]

    CustomResourceDefinitions permitem você extender a API do Kubernetes para seu ambiente caso as APIs atuais não cumpram com seus requisitos.

  • DaemonSet

    Ensures a copy of a Pod is running across a set of nodes in a cluster.

    [+]

    Used to deploy system daemons such as log collectors and monitoring agents that typically must run on every Node.

  • Deployment

    Um objeto da API que gerencia uma aplicação replicada, geralmente executando Pods sem estado armazenado.

    [+]

    Cada réplica é representada por um Pod, e os Pods são distribuídos entre os nós de um cluster. Para cargas de trabalho que exigem o estado armazenado, considere usar um StatefulSet.

  • Desenvolvedor (desambiguação)

    Pode se referir a: Desenvolvedor de Aplicativos, Colaborador de Código, ou Desenvolvedor de Plataforma.

    [+]

    Esse termo pode ter significados diferentes, dependendo do contexto.

  • Desenvolvedor de Aplicativos

    Uma pessoa que escreve um aplicativo que é executado em um cluster Kubernetes.

    [+]

    Um desenvolvedor de aplicativos se concentra em uma parte da aplicação. O seu foco pode variar significativamente em tamanho.

  • Device Plugin

    Device plugins run on worker Nodes and provide Pods with access to resources, such as local hardware, that require vendor-specific initialization or setup steps.

    [+]

    Device plugins advertise resources to the kubelet, so that workload Pods can access hardware features that relate to the Node where that Pod is running. You can deploy a device plugin as a DaemonSet, or install the device plugin software directly on each target Node.

    See Device Plugins for more information.

  • Disrupção do Pod

    Disrupção do Pod é o processo pelo qual Pods ou nós são interrompidos de forma voluntária ou involuntária.

    [+]

    Disrupções voluntárias são iniciadas intencionalmente pelos donos das aplicações ou administradores dos clusters. Disrupções involuntárias não são intencionais e podem ser encadeadas por problemas inevitáveis como Nós com poucos recursos, ou por exclusões acidentais.

  • Disruption

    Disruptions are events that lead to one or more Pods going out of service. A disruption has consequences for workload resources, such as Deployment, that rely on the affected Pods.

    [+]

    If you, as cluster operator, destroy a Pod that belongs to an application, Kubernetes terms that a voluntary disruption. If a Pod goes offline because of a Node failure, or an outage affecting a wider failure zone, Kubernetes terms that an involuntary disruption.

    See Disruptions for more information.

  • Docker

    Docker (especificamente, Docker Engine) é um software que provê virtualização a nível do sistema operacional também conhecida como containers.

    [+]

    Docker utiliza as funcionalidades de isolamento de recursos do kernel linux como cgroups e kernel namespaces, e a capacidade de unir o sistema de arquivos como OverlayFS e outros para permitir a execução independente de containers dentro de uma única instância linux, sem a necessidade de iniciar e manter maquinas virtuais (VMs).

  • Dockershim

    The dockershim is a component of Kubernetes version 1.23 and earlier. It allows the kubelet to communicate with Docker Engine.

    [+]

    Starting with version 1.24, dockershim has been removed from Kubernetes. For more information, see Dockershim FAQ.

  • Downstream (disambiguation)

    May refer to: code in the Kubernetes ecosystem that depends upon the core Kubernetes codebase or a forked repo.

    [+]
    • In the Kubernetes Community: Conversations often use downstream to mean the ecosystem, code, or third-party tools that rely on the core Kubernetes codebase. For example, a new feature in Kubernetes may be adopted by applications downstream to improve their functionality.
    • In GitHub or git: The convention is to refer to a forked repo as downstream, whereas the source repo is considered upstream.
  • Downward API

    Kubernetes' mechanism to expose Pod and container field values to code running in a container.

    [+]

    It is sometimes useful for a container to have information about itself, without needing to make changes to the container code that directly couple it to Kubernetes.

    The Kubernetes downward API allows containers to consume information about themselves or their context in a Kubernetes cluster. Applications in containers can have access to that information, without the application needing to act as a client of the Kubernetes API.

    There are two ways to expose Pod and container fields to a running container:

    Together, these two ways of exposing Pod and container fields are called the downward API.

  • Dynamic Volume Provisioning

    Allows users to request automatic creation of storage Volumes.

    [+]

    Dynamic provisioning eliminates the need for cluster administrators to pre-provision storage. Instead, it automatically provisions storage by user request. Dynamic volume provisioning is based on an API object, StorageClass, referring to a Volume Plugin that provisions a Volume and the set of parameters to pass to the Volume Plugin.

  • Endpoints

    Endpoints track the IP addresses of Pods with matching selectors.

    [+]

    Endpoints can be configured manually for Services without selectors specified. The EndpointSlice resource provides a scalable and extensible alternative to Endpoints.

  • EndpointSlice

    A way to group network endpoints together with Kubernetes resources.

    [+]

    A scalable and extensible way to group network endpoints together. These can be used by kube-proxy to establish network routes on each node.

  • Ephemeral Container

    A Container type that you can temporarily run inside a Pod.

    [+]

    If you want to investigate a Pod that's running with problems, you can add an ephemeral container to that Pod and carry out diagnostics. Ephemeral containers have no resource or scheduling guarantees, and you should not use them to run any part of the workload itself.

    Ephemeral containers are not supported by static pods.

  • Esquemas alternativos x509
    [+]

    X.509 é um formato padrão para certificados de chave pública, documentos digitais que associam com segurança pares de chaves criptográficas a identidades como sites, indivíduos ou organizações.

    Introduzido pela primeira vez em 1988 junto com os padrões X.500 para serviços de diretório eletrônico, o X.509 foi adaptado para uso na Internet pelo grupo de trabalho Public-Key Infrastructure (X.509) (PKIX) da IETF. O RFC 5280 define o perfil do certificado X.509 v3, a lista de revogação de certificado X.509 v2 (CRL) e descreve um algoritmo para a validação do caminho do certificado X.509.

    As aplicações comuns de certificados X.509 incluem:

    - SSL / TLS e HTTPS para navegação na web autenticada e criptografada
    - E-mail assinado e criptografado por meio do protocolo S / MIME
    - Assinatura de código
    - Assinatura de documento
    - Autenticação de cliente
    - Identificação eletrônica emitida pelo governo
    
  • etcd

    Armazenamento do tipo Chave-Valor consistente e em alta-disponibilidade usado como repositório de apoio do Kubernetes para todos os dados do cluster.

    [+]

    Se o seu cluster Kubernetes usa etcd como seu armazenamento de apoio, certifique-se de ter um plano de back up para seus dados.

    Você pode encontrar informações detalhadas sobre o etcd na seção oficial da documentação.

  • Evento

    Cada evento é uma informação de um acontecimento em algum lugar do cluster. Geralmente denota alguma mudança de estado no sistema.

    [+]

    Os eventos tem um tempo limitado de retenção, e os gatilhos e as mensagens podem evoluir com o tempo. Os consumidores de um evento não devem confiar que a temporalidade de um evento com um determinado motivo reflita um gatilho com uma causa consistente, ou na existência de eventos continuados com aquele motivo.

    Os eventos devem ser tratados como dados informativos, de melhor esforço, suplementares.

    No Kubernetes, a auditoria gera um tipo diferente de registro de evento (grupo de API audit.k8s.io).

  • Evicção

    Evicção é o processo de encerramento de um ou mais Pods em Nós.

    [+]
  • Extensions

    Extensions are software components that extend and deeply integrate with Kubernetes to support new types of hardware.

    [+]

    Many cluster administrators use a hosted or distribution instance of Kubernetes. These clusters come with extensions pre-installed. As a result, most Kubernetes users will not need to install extensions and even fewer users will need to author new ones.

  • Feature gate

    Feature gates are a set of keys (opaque string values) that you can use to control which Kubernetes features are enabled in your cluster.

    [+]

    You can turn these features on or off using the --feature-gates command line flag on each Kubernetes component. Each Kubernetes component lets you enable or disable a set of feature gates that are relevant to that component. The Kubernetes documentation lists all current feature gates and what they control.

  • Finalizer

    Finalizers are namespaced keys that tell Kubernetes to wait until specific conditions are met before it fully deletes resources marked for deletion. Finalizers alert controllers to clean up resources the deleted object owned.

    [+]

    When you tell Kubernetes to delete an object that has finalizers specified for it, the Kubernetes API marks the object for deletion by populating .metadata.deletionTimestamp, and returns a 202 status code (HTTP "Accepted"). The target object remains in a terminating state while the control plane, or other components, take the actions defined by the finalizers. After these actions are complete, the controller removes the relevant finalizers from the target object. When the metadata.finalizers field is empty, Kubernetes considers the deletion complete and deletes the object.

    You can use finalizers to control garbage collection of resources. For example, you can define a finalizer to clean up related resources or infrastructure before the controller deletes the target resource.

  • FlexVolume

    FlexVolume is a deprecated interface for creating out-of-tree volume plugins. The Container Storage Interface is a newer interface that addresses several problems with FlexVolume.

    [+]

    FlexVolumes enable users to write their own drivers and add support for their volumes in Kubernetes. FlexVolume driver binaries and dependencies must be installed on host machines. This requires root access. The Storage SIG suggests implementing a CSI driver if possible since it addresses the limitations with FlexVolumes.

  • Garbage Collection

    Garbage collection is a collective term for the various mechanisms Kubernetes uses to clean up cluster resources.

    [+]

    Kubernetes uses garbage collection to clean up resources like unused containers and images, failed Pods, objects owned by the targeted resource, completed Jobs, and resources that have expired or failed.

  • Gerenciador de controle de nuvem

    Um componente da camada de gerenciamento do Kubernetes que incorpora a lógica de controle específica da nuvem. O gerenciador de controle de nuvem permite que você vincule seu cluster na API do seu provedor de nuvem, e separar os componentes que interagem com essa plataforma de nuvem a partir de componentes que apenas interagem com seu cluster.

    [+]

    Desassociando a lógica de interoperabilidade entre o Kubernetes e a infraestrutura de nuvem subjacente, o componente gerenciador de controle de nuvem permite que os provedores de nuvem desenvolvam e disponibilizem recursos em um ritmo diferente em comparação com o projeto principal do Kubernetes.

  • Grupo de APIs

    Um conjunto de caminhos relacionados da API Kubernetes.

    [+]

    Você pode ativar ou desativar cada grupo de APIs alterando a configuração do seu servidor de API. Você também pode desativar ou ativar caminhos para recursos específicos. O grupo de APIs facilita a extensão da API do Kubernetes. O grupo de APIs é especificado em um caminho REST e no campo apiVersion de um objeto serializado.

  • Helm Chart

    A package of pre-configured Kubernetes resources that can be managed with the Helm tool.

    [+]

    Charts provide a reproducible way of creating and sharing Kubernetes applications. A single chart can be used to deploy something simple, like a memcached Pod, or something complex, like a full web app stack with HTTP servers, databases, caches, and so on.

  • Horizontal Pod Autoscaler
    Também conhecido como:HPA

    An API resource that automatically scales the number of Pod replicas based on targeted CPU utilization or custom metric targets.

    [+]

    HPA is typically used with ReplicationControllers, Deployments, or ReplicaSets. It cannot be applied to objects that cannot be scaled, for example DaemonSets.

  • HostAliases

    A HostAliases is a mapping between the IP address and hostname to be injected into a Pod's hosts file.

    [+]

    HostAliases is an optional list of hostnames and IP addresses that will be injected into the Pod's hosts file if specified. This is only valid for non-hostNetwork Pods.

  • Imagem

    Instância armazenada de um contêiner que contém o conjunto de softwares necessários para rodar uma aplicação.

    [+]

    É uma forma de empacotamento de software que permite que este seja armazenado em um container registry, copiado para um sistema local e executado como uma aplicação. Metadados são incluídos na imagem para indicar qual programa deve ser executado, quem produziu a imagem, além de outras informações.

  • Infraestrutura de Cluster
    A camada de infraestrutura fornece e mantém máquinas virtuais, redes, grupos de segurança e outros. [+]

    A camada de infraestrutura fornece e mantém máquinas virtuais, redes, grupos de segurança e outros.

  • Ingress

    Um objeto da API (do inglês "Application Programming Interface") que gerencia o acesso externo aos serviços em um cluster, normalmente HTTP.

    [+]

    Um Ingress pode fornecer as capacidades de um proxy reverso para as aplicações.

  • Init Container

    One or more initialization containers that must run to completion before any app containers run.

    [+]

    Initialization (init) containers are like regular app containers, with one difference: init containers must run to completion before any app containers can start. Init containers run in series: each init container must run to completion before the next init container begins.

  • Interface de Armazenamento de Contêiner

    A Interface de Armazenamento de Contêiner (Container Storage Interface, CSI) define um padrão de interface para expor sistemas de armazenamento a contêineres.

    [+]

    O CSI permite que os fornecedores criem plugins personalizados de armazenamento para o Kubernetes sem adicioná-los ao repositório Kubernetes (plugins fora da árvore). Para usar um driver CSI de um provedor de armazenamento, você deve primeiro instalá-lo no seu cluster. Você poderá então criar uma Classe de Armazenamento que use esse driver CSI.

  • Istio

    Uma plataforma aberta (não específica do Kubernetes) que fornece uma maneira uniforme de integrar microsserviços, gerenciar o fluxo de tráfego, aplicar políticas e agregar dados de telemetria.

    [+]

    Adicionar o Istio não requer alterar o código da aplicação. É uma camada de infraestrutura entre um serviço e a rede, quando combinada com as instalações de serviços, é comumente referida como uma malha de serviço. A camada de gerenciamento do Istio abstrai a plataforma de gerenciamento do cluster principal, que pode ser Kubernetes, Mesosphere, etc.

  • Job

    Uma tarefa finita ou em lotes que executa até finalizar.

    [+]

    Cria um ou mais objetos do tipo Pod e garante que um número determinado destes finaliza sua execução com sucesso. Conforme os Pods finalizam com sucesso, o Job observa as execuções bem-sucedidas.

  • Kerberos
    [+]

    Kerberos é um protocolo de rede que usa criptografia de chave secreta para autenticar aplicativos cliente-servidor. O Kerberos solicita um tíquete criptografado por meio de uma sequência de servidor autenticada para usar os serviços.

    Kerberos foi desenvolvido pelo Project Athena - um projeto conjunto entre o Massachusetts Institute of Technology (MIT), Digital Equipment Corporation e IBM que funcionou entre 1983 e 1991.

    Um servidor de autenticação usa um tíquete Kerberos para conceder acesso ao servidor e, em seguida, cria uma chave de sessão com base na senha do solicitante e outro valor aleatório. O tíquete de concessão de tíquete (TGT) é enviado ao servidor de concessão de tíquete (TGS), que é necessário para usar o mesmo servidor de autenticação.

    O solicitante recebe uma chave TGS criptografada com um registro de data e hora e um tíquete de serviço, que é retornado ao solicitante e descriptografado. O solicitante envia ao TGS essas informações e encaminha a chave criptografada ao servidor para obter o serviço desejado. Se todas as ações forem tratadas corretamente, o servidor aceita o tíquete e realiza o atendimento ao usuário desejado, que deve descriptografar a chave, verificar a data e hora e entrar em contato com o centro de distribuição para obter as chaves de sessão. Essa chave de sessão é enviada ao solicitante, que descriptografa o tíquete.

    Se as chaves e o carimbo de data / hora forem válidos, a comunicação cliente-servidor continuará. O tíquete TGS tem carimbo de data / hora, o que permite solicitações simultâneas dentro do período de tempo alocado.

  • Keystone
    [+]

    Keystone é o serviço de identidade usado pelo OpenStack para autenticação (authN) e autorização de alto nível (authZ). Atualmente, ele oferece suporte a authN com base em token e autorização de serviço do usuário. Recentemente, foi reprojetado para permitir a expansão para oferecer suporte a serviços externos de proxy e mecanismos AuthN / AuthZ, como oAuth, SAML e openID em versões futuras.

  • kOps (Kubernetes Operations)

    kOps will not only help you create, destroy, upgrade and maintain production-grade, highly available, Kubernetes cluster, but it will also provision the necessary cloud infrastructure.

    [+]

    kOps is an automated provisioning system:

    • Fully automated installation
    • Uses DNS to identify clusters
    • Self-healing: everything runs in Auto-Scaling Groups
    • Multiple OS support (Amazon Linux, Debian, Flatcar, RHEL, Rocky and Ubuntu)
    • High-Availability support
    • Can directly provision, or generate terraform manifests
  • kube-controller-manager

    Componente da camada de gerenciamento que executa os processos de controlador.

    [+]

    Logicamente, cada controlador está em um processo separado, mas para reduzir a complexidade, eles todos são compilados num único binário e executam em um processo único.

  • kube-proxy

    kube-proxy é um proxy de rede executado em cada no seu cluster, implementando parte do conceito de serviço do Kubernetes.

    [+]

    kube-proxy mantém regras de rede nos nós. Estas regras de rede permitem a comunicação de rede com seus pods a partir de sessões de rede dentro ou fora de seu cluster.

    kube-proxy usa a camada de filtragem de pacotes do sistema operacional se houver uma e estiver disponível. Caso contrário, o kube-proxy encaminha o tráfego ele mesmo.

  • kube-scheduler

    Componente da camada de gerenciamento que observa os pods recém-criados sem nenhum atribuído, e seleciona um nó para executá-los.

    [+]

    Os fatores levados em consideração para as decisões de agendamento incluem: requisitos de recursos individuais e coletivos, hardware/software/política de restrições, especificações de afinidade e antiafinidade, localidade de dados, interferência entre cargas de trabalho, e prazos.

  • Kubeadm

    Uma ferramenta para instalar rapidamente o Kubernetes e configurar um cluster seguro.

    [+]

    Você pode usar o kubeadm para instalar a camada de gerenciamento e os componentes nós de processamento.

  • Kubectl
    Também conhecido como:kubectl

    Ferramenta de linha de comando para se comunicar com a camada de gerenciamento de um cluster Kubernetes usando a API do Kubernetes.

    [+]

    Você pode usar kubectl para criar, inspecionar, atualizar e excluir objetos Kubernetes.

  • Kubelet

    Um agente que é executado em cada node no cluster. Ele garante que os contêineres estejam sendo executados em um Pod.

    [+]

    O kubelet utiliza um conjunto de PodSpecs que são fornecidos por vários mecanismos e garante que os contêineres descritos nesses PodSpecs estejam funcionando corretamente. O kubelet não gerencia contêineres que não foram criados pelo Kubernetes.

  • Kubernetes API

    The application that serves Kubernetes functionality through a RESTful interface and stores the state of the cluster.

    [+]

    Kubernetes resources and "records of intent" are all stored as API objects, and modified via RESTful calls to the API. The API allows configuration to be managed in a declarative way. Users can interact with the Kubernetes API directly, or via tools like kubectl. The core Kubernetes API is flexible and can also be extended to support custom resources.

  • Label

    Marca os objetos com atributos de identificação que são significativos e relevantes para os usuários.

    [+]

    Labels são pares chave/valor que são anexados aos objetos, tal como Pods. Eles são usados para organizar e selecionar subconjuntos de objetos.

  • LDAP
    [+]

    Abreviatura para "Lightweight Directory Access Protocol". Se você deseja disponibilizar informações de diretório na Internet, esta é a maneira de fazê-lo. O LDAP é uma versão simplificada de um padrão de diretório anterior denominado X.500. O que torna o LDAP tão útil é que ele funciona muito bem em redes TCP / IP (ao contrário do X.500), de modo que as informações podem ser acessadas por meio do LDAP por qualquer pessoa com uma conexão à Internet. Também é um protocolo aberto, o que significa que os diretórios podem ser armazenados em qualquer tipo de máquina (por exemplo, Windows 2000, Red Hat Linux, Mac OS X).

    Para dar uma ideia de como um diretório LDAP é organizado, aqui estão os diferentes níveis de uma hierarquia de árvore LDAP simples:

    O diretório raiz Países Organizações Divisões, departamentos, etc. Indivíduos Recursos individuais, como arquivos e impressoras. A maior parte da conectividade LDAP é feita nos bastidores, então o usuário típico provavelmente não notará ao navegar na web. No entanto, é uma boa tecnologia para se conhecer. Se nada mais, é outro termo para impressionar seus pais.

  • LimitRange

    Provides constraints to limit resource consumption per Containers or Pods in a namespace.

    [+]

    LimitRange limits the quantity of objects that can be created by type, as well as the amount of compute resources that may be requested/consumed by individual Containers or Pods in a namespace.

  • Logging

    Logs are the list of events that are logged by cluster or application.

    [+]

    Application and systems logs can help you understand what is happening inside your cluster. The logs are particularly useful for debugging problems and monitoring cluster activity.

  • Managed Service

    A software offering maintained by a third-party provider.

    [+]

    Some examples of Managed Services are AWS EC2, Azure SQL Database, and GCP Pub/Sub, but they can be any software offering that can be used by an application.

  • Manifest

    Specification of a Kubernetes API object in JSON or YAML format.

    [+]

    A manifest specifies the desired state of an object that Kubernetes will maintain when you apply the manifest. Each configuration file can contain multiple manifests.

  • Master

    Legacy term, used as synonym for nodes hosting the control plane.

    [+]

    The term is still being used by some provisioning tools, such as kubeadm, and managed services, to label nodes with kubernetes.io/role and control placement of control plane pods.

  • Membro

    Um colaborador continuamente ativo na comunidade K8s.

    [+]

    Os membros podem ter issues e PRs atribuídos a eles e podem participar de um grupo de interesse especial (SIGs) por meio do GitHub teams. Os testes de aceitação são executados automaticamente para os PRs dos membros. Espera-se que um membro permaneça um colaborador ativo para a comunidade.

  • Minikube

    A tool for running Kubernetes locally.

    [+]

    Minikube runs a single-node cluster inside a VM on your computer. You can use Minikube to try Kubernetes in a learning environment.

  • Mirror Pod

    A pod object that a kubelet uses to represent a static pod

    [+]

    When the kubelet finds a static pod in its configuration, it automatically tries to create a Pod object on the Kubernetes API server for it. This means that the pod will be visible on the API server, but cannot be controlled from there.

    (For example, removing a mirror pod will not stop the kubelet daemon from running it).

  • Namespace

    Uma abstração utilizada pelo Kubernetes para suportar múltiplos clusters virtuais no mesmo cluster físico.

    [+]

    Namespaces são utilizados para organizar objetos em um cluster e oferecer uma forma de separar os recursos do cluster. Os nomes dos recursos precisam ser únicos dentro de um namespace, mas não entre todos os namespaces existentes.

  • Namespace do usuário

    Um recurso do kernel para emular o root. Usado para "contêineres sem root".

    [+]

    Os namespaces do usuário são um recurso do kernel Linux que permite que um usuário não root emule privilégios de superusuário ("root"), por exemplo, para executar contêineres sem ser um superusuário fora do contêiner.

    O namespace do usuário é eficaz para mitigar os danos de um potencial ataque em que o adversário escapa dos limites do contêiner.

    No contexto de namespaces de usuário, o namespace é um recurso do kernel Linux, e não um namespace no sentido do termo Kubernetes.

  • Network Policy

    A specification of how groups of Pods are allowed to communicate with each other and with other network endpoints.

    [+]

    Network Policies help you declaratively configure which Pods are allowed to connect to each other, which namespaces are allowed to communicate, and more specifically which port numbers to enforce each policy on. NetworkPolicy resources use labels to select Pods and define rules which specify what traffic is allowed to the selected Pods. Network Policies are implemented by a supported network plugin provided by a network provider. Be aware that creating a network resource without a controller to implement it will have no effect.

  • Um Nó é uma máquina de trabalho no Kubernetes.

    [+]

    Um Nó pode ser uma máquina virtual ou física, dependendo do cluster. Possui daemons ou serviços locais necessários para executar Pods e é gerenciado pelo ambiente de gerenciamento. Os daemons em um Node incluem kubelet, kube-proxy e um contêiner runtime implementando o CRI como por exemplo o Docker.

  • Node-pressure eviction
    Também conhecido como:kubelet eviction

    Node-pressure eviction is the process by which the kubelet proactively terminates pods to reclaim resources on nodes.

    [+]

    The kubelet monitors resources like CPU, memory, disk space, and filesystem inodes on your cluster's nodes. When one or more of these resources reach specific consumption levels, the kubelet can proactively fail one or more pods on the node to reclaim resources and prevent starvation.

    Node-pressure eviction is not the same as API-initiated eviction.

  • Nome

    Uma string fornecida pelo cliente que referencia um objeto em uma URL de recurso, como por exemplo /api/v1/pods/qualquer-nome.

    [+]

    Somente um objeto de um dado tipo pode ter um certo nome por vez. No entanto, se você remover o objeto, você poderá criar um novo objeto com o mesmo nome.

  • Object

    An entity in the Kubernetes system. The Kubernetes API uses these entities to represent the state of your cluster.

    [+]

    A Kubernetes object is typically a “record of intent”—once you create the object, the Kubernetes control plane works constantly to ensure that the item it represents actually exists. By creating an object, you're effectively telling the Kubernetes system what you want that part of your cluster's workload to look like; this is your cluster's desired state.

  • Operações do Cluster

    O trabalho envolvido no gerenciamento de um cluster Kubernetes: gerenciamento das operações diárias e coordenação das atualizações.

    [+]

    Exemplos das tarefas de operações do cluster incluem: implantação de novos nós para dimensionar o cluster; realização de atualizações de software; implementação de controles de segurança; adição ou remoção de armazenamento; configuração da rede do cluster; gerenciamento de observabilidade em todo o cluster; e resposta a eventos.

  • Operador de Cluster

    Uma pessoa que configura, controla e monitora clusters.

    [+]

    Sua principal responsabilidade é manter um cluster funcionando, o que pode envolver atividades periódicas de manutenção ou atualizações.

  • Padrão Operador

    O padrão Operador é um design de sistema que vincula um controlador a um ou mais recursos personalizados.

    [+]

    Você pode estender a funcionalidade do Kubernetes adicionando controladores ao seu cluster, além dos controladores que são distribuídos como parte do Kubernetes.

    Se uma aplicação em execução age como um controlador e tem acesso à API para desempenhar tarefas em um recurso personalizado que está definido na camada de gerenciamento, este é um exemplo do padrão Operador.

  • Persistent Volume

    An API object that represents a piece of storage in the cluster. Available as a general, pluggable resource that persists beyond the lifecycle of any individual Pod.

    [+]

    PersistentVolumes (PVs) provide an API that abstracts details of how storage is provided from how it is consumed. PVs are used directly in scenarios where storage can be created ahead of time (static provisioning). For scenarios that require on-demand storage (dynamic provisioning), PersistentVolumeClaims (PVCs) are used instead.

  • Persistent Volume Claim

    Claims storage resources defined in a PersistentVolume so that it can be mounted as a volume in a container.

    [+]

    Specifies the amount of storage, how the storage will be accessed (read-only, read-write and/or exclusive) and how it is reclaimed (retained, recycled or deleted). Details of the storage itself are described in the PersistentVolume object.

  • Plano de Dados
    A camada que fornece capacidade, tais como CPU, memória, rede e armazenamento, para que os contêineres possam ser executados e conectados a uma rede. [+]

    A camada que fornece capacidade, tais como CPU, memória, rede e armazenamento, para que os contêineres possam ser executados e conectados a uma rede.

  • Platform Developer

    A person who customizes the Kubernetes platform to fit the needs of their project.

    [+]

    A platform developer may, for example, use Custom Resources or Extend the Kubernetes API with the aggregation layer to add functionality to their instance of Kubernetes, specifically for their application. Some Platform Developers are also contributors and develop extensions which are contributed to the Kubernetes community. Others develop closed-source commercial or site-specific extensions.

  • Plugin de Volume

    Um plugin de volume permite a integração do armazenamento dentro de um Pod.

    [+]

    Um plugin de volume permite anexar e montar volumes de armazenamento para uso por um Pod. Os plugins de volume podem estar dentro ou fora da árvore. Na árvore, os plugins fazem parte do repositório de código Kubernetes e seguem seu ciclo de lançamento. Os plugins fora da árvore são desenvolvidos de forma independente.

  • Pod

    O menor e mais simples objeto Kubernetes. Um Pod representa um conjunto de contêineres em execução no seu cluster.

    [+]

    Um Pod é normalmente configurado para executar um único contêiner primário. Ele também pode executar contêineres opcionais que adicionam recursos adicionais, como registro em log. Os pods são geralmente gerenciados por um Deployment.

  • Pod Disruption Budget
    Também conhecido como:PDB

    A Pod Disruption Budget allows an application owner to create an object for a replicated application, that ensures a certain number or percentage of Pods with an assigned label will not be voluntarily evicted at any point in time.

    [+]

    Involuntary disruptions cannot be prevented by PDBs; however they do count against the budget.

  • Pod estático

    Um pod gerenciado diretamente pelo daemon do kubelet em um nó específico,

    [+]

    que não é observado pelo servidor de API.

  • Pod Lifecycle

    The sequence of states through which a Pod passes during its lifetime.

    [+]

    The Pod Lifecycle is defined by the states or phases of a Pod. There are five possible Pod phases: Pending, Running, Succeeded, Failed, and Unknown. A high-level description of the Pod state is summarized in the PodStatus phase field.

  • Pod Priority

    Pod Priority indicates the importance of a Pod relative to other Pods.

    [+]

    Pod Priority gives the ability to set scheduling priority of a Pod to be higher and lower than other Pods — an important feature for production clusters workload.

  • Pod Security Policy

    Enables fine-grained authorization of Pod creation and updates.

    [+]

    A cluster-level resource that controls security sensitive aspects of the Pod specification. The PodSecurityPolicy objects define a set of conditions that a Pod must run with in order to be accepted into the system, as well as defaults for the related fields. Pod Security Policy control is implemented as an optional admission controller.

    PodSecurityPolicy was deprecated as of Kubernetes v1.21, and removed in v1.25. As an alternative, use Pod Security Admission or a 3rd party admission plugin.

  • Preemption

    Preemption logic in Kubernetes helps a pending Pod to find a suitable Node by evicting low priority Pods existing on that Node.

    [+]

    If a Pod cannot be scheduled, the scheduler tries to preempt lower priority Pods to make scheduling of the pending Pod possible.

  • Provedor de Nuvem
    Também conhecido como:Provedor de Serviços em Nuvem

    Uma empresa ou outra organização que oferece uma plataforma de computação em nuvem.

    [+]

    Os provedores de nuvem, às vezes chamados de Provedores de Serviços em Nuvem (CSPs), oferecem plataformas ou serviços de computação em nuvem.

    Muitos provedores de nuvem oferecem infraestrutura gerenciada (também chamada de Infraestrutura como Serviço ou IaaS). Com a infraestrutura gerenciada, o provedor de nuvem é responsável pelos servidores, armazenamento e rede enquanto você gerencia as camadas em cima disso, tal como a execução de um cluster Kubernetes.

    Você também pode encontrar o Kubernetes como um serviço gerenciado; às vezes chamado de Plataforma como Serviço ou PaaS. Com o Kubernetes gerenciado, o seu provedor de nuvem é responsável pela camada de gerenciamento do Kubernetes, bem como pelos nós e pela infraestrutura em que eles dependem: rede, armazenamento e provavelmente outros elementos, tal como balanceadores de carga.

  • Proxy

    In computing, a proxy is a server that acts as an intermediary for a remote service.

    [+]

    A client interacts with the proxy; the proxy copies the client's data to the actual server; the actual server replies to the proxy; the proxy sends the actual server's reply to the client.

    kube-proxy is a network proxy that runs on each node in your cluster, implementing part of the Kubernetes Service concept.

    You can run kube-proxy as a plain userland proxy service. If your operating system supports it, you can instead run kube-proxy in a hybrid mode that achieves the same overall effect using less system resources.

  • QoS Class

    QoS Class (Quality of Service Class) provides a way for Kubernetes to classify Pods within the cluster into several classes and make decisions about scheduling and eviction.

    [+]

    QoS Class of a Pod is set at creation time based on its compute resources requests and limits settings. QoS classes are used to make decisions about Pods scheduling and eviction. Kubernetes can assign one of the following QoS classes to a Pod: Guaranteed, Burstable or BestEffort.

  • Quantity

    A whole-number representation of small or large numbers using SI suffixes.

    [+]

    Quantities are representations of small or large numbers using a compact, whole-number notation with SI suffixes. Fractional numbers are represented using milli units, while large numbers can be represented using kilo, mega, or giga units.

    For instance, the number 1.5 is represented as 1500m, while the number 1000 can be represented as 1k, and 1000000 as 1M. You can also specify binary-notation suffixes; the number 2048 can be written as 2Ki.

    The accepted decimal (power-of-10) units are m (milli), k (kilo, intentionally lowercase), M (mega), G (giga), T (tera), P (peta), E (exa).

    The accepted binary (power-of-2) units are Ki (kibi), Mi (mebi), Gi (gibi), Ti (tebi), Pi (pebi), Ei (exbi).

  • RBAC (Controle de Acesso Baseado em Funções)
    Também conhecido como:Role Based Access Control, Controle de Acesso Baseado em Funções

    Gerencia decisões de autorização, permitindo que os administradores configurem dinamicamente políticas de acesso por meio da API do Kubernetes.

    [+]

    O RBAC (do inglês - Role-Based Access Control) utiliza funções, que contêm regras de permissão, e atribuição das funções, que concedem as permissões definidas em uma função a um conjunto de usuários.

  • ReplicaSet

    A ReplicaSet (aims to) maintain a set of replica Pods running at any given time.

    [+]

    Workload objects such as Deployment make use of ReplicaSets to ensure that the configured number of Pods are running in your cluster, based on the spec of that ReplicaSet.

  • ReplicationController

    A workload resource that manages a replicated application, ensuring that a specific number of instances of a Pod are running.

    [+]

    The control plane ensures that the defined number of Pods are running, even if some Pods fail, if you delete Pods manually, or if too many are started by mistake.

  • Resource Quotas

    Provides constraints that limit aggregate resource consumption per Namespace.

    [+]

    Limits the quantity of objects that can be created in a namespace by type, as well as the total amount of compute resources that may be consumed by resources in that project.

  • Revisor

    Uma pessoa que revisa o código quanto à qualidade e correção em alguma parte do projeto.

    [+]

    Os revisores têm conhecimento sobre o código base e os princípios de engenharia de software. O estado do revisor é atribuído a uma parte do código.

  • SAML
    [+]

    SAML significa Linguagem de Marcação para Asserção de Segurança. É um padrão aberto baseado em XML para transferência de dados de identidade entre duas partes: um provedor de identidade (IdP) e um provedor de serviços (SP).

    Provedor de identidade - executa autenticação e passa a identidade do usuário e o nível de autorização para o provedor de serviços.

    Provedor de serviços - confia no provedor de identidade e autoriza o usuário fornecido a acessar o recurso solicitado.

    A autenticação de logon único SAML normalmente envolve um provedor de serviços e um provedor de identidade. O fluxo do processo geralmente envolve os estágios de estabelecimento de confiança e fluxo de autenticação.

    Considere este exemplo:

    Nosso provedor de identidade é Auth0 Nosso provedor de serviços é um serviço fictício, Zagadat Nota: O provedor de identidade pode ser qualquer plataforma de gerenciamento de identidade.

    Agora, um usuário está tentando obter acesso ao Zagadat usando a autenticação SAML.

    Este é o fluxo do processo:

    O usuário tenta fazer login no Zagadat a partir de um navegador. O Zagadat responde gerando uma solicitação SAML.

  • Secret

    Armazena dados sensíveis, como senhas, tokens OAuth e chaves SSH.

    [+]

    Permite mais controle com relação a como as informações sensíveis são armazenadas e reduz o risco de exposição acidental. Os valores dos Secrets são codificados como strings no formato base64, mas não encriptados por padrão. É possível configurar o cluster para realizar a encriptação em disco de Secrets. Um Pod pode referenciar o Secret como um arquivo em um volume montado, ou o kubelet pode usar este dado quando baixa imagens para um pod. Secrets são úteis para dados confidenciais, enquanto ConfigMaps são úteis para dados não-confidenciais.

  • Security Context

    The securityContext field defines privilege and access control settings for a Pod or container.

    [+]

    In a securityContext, you can define: the user that processes run as, the group that processes run as, and privilege settings. You can also configure security policies (for example: SELinux, AppArmor or seccomp).

    The PodSpec.securityContext setting applies to all containers in a Pod.

  • Seletor

    Permite ao usuário filtrar uma lista de recursos com base em labels (rótulos).

    [+]

    Seletores são aplicados quando um usuário faz uma pesquisa por listas de recursos para filtrá-los por labels (rótulos).

  • Service

    Uma forma abstrata de expor uma aplicação que está executando em um conjunto de Pods como um serviço de rede.

    [+]

    O conjunto de Pods referenciado por um Service é (geralmente) determinado por um seletor. Se mais Pods são adicionados ou removidos, o conjunto de Pods que atende ao critério do seletor será alterado. O Service garante que o tráfego de rede pode ser direcionado ao conjunto atual de Pods para a carga de trabalho.

  • Service Catalog

    A former extension API that enabled applications running in Kubernetes clusters to easily use external managed software offerings, such as a datastore service offered by a cloud provider.

    [+]

    It provided a way to list, provision, and bind with external Managed Services without needing detailed knowledge about how those services would be created or managed.

  • ServiceAccount

    Provides an identity for processes that run in a Pod.

    [+]

    When processes inside Pods access the cluster, they are authenticated by the API server as a particular service account, for example, default. When you create a Pod, if you do not specify a service account, it is automatically assigned the default service account in the same Namespace.

  • Shuffle-sharding

    A technique for assigning requests to queues that provides better isolation than hashing modulo the number of queues.

    [+]

    We are often concerned with insulating different flows of requests from each other, so that a high-intensity flow does not crowd out low-intensity flows. A simple way to put requests into queues is to hash some characteristics of the request, modulo the number of queues, to get the index of the queue to use. The hash function uses as input characteristics of the request that align with flows. For example, in the Internet this is often the 5-tuple of source and destination address, protocol, and source and destination port.

    That simple hash-based scheme has the property that any high-intensity flow will crowd out all the low-intensity flows that hash to the same queue. Providing good insulation for a large number of flows requires a large number of queues, which is problematic. Shuffle-sharding is a more nimble technique that can do a better job of insulating the low-intensity flows from the high-intensity flows. The terminology of shuffle-sharding uses the metaphor of dealing a hand from a deck of cards; each queue is a metaphorical card. The shuffle-sharding technique starts with hashing the flow-identifying characteristics of the request, to produce a hash value with dozens or more of bits. Then the hash value is used as a source of entropy to shuffle the deck and deal a hand of cards (queues). All the dealt queues are examined, and the request is put into one of the examined queues with the shortest length. With a modest hand size, it does not cost much to examine all the dealt cards and a given low-intensity flow has a good chance to dodge the effects of a given high-intensity flow. With a large hand size it is expensive to examine the dealt queues and more difficult for the low-intensity flows to dodge the collective effects of a set of high-intensity flows. Thus, the hand size should be chosen judiciously.

  • SIG (grupo de interesse especial)

    Membros da comunidade que gerenciam coletivamente e continuamente uma parte ou projeto maior do código aberto do Kubernetes.

    [+]

    Os membros dentro de um grupo de interesse especial (do inglês - Special Interest Group, SIG) têm um interesse comum em contribuir em uma área específica, como arquitetura, API ou documentação. Os SIGs devem seguir as diretrizes de governança do SIG, mas podem ter sua própria política de contribuição e canais de comunicação.

    Para mais informações, consulte o repositório kubernetes/community e a lista atual de SIGs e Grupos de Trabalho.

  • StatefulSet

    Gerencia o deployment e escalonamento de um conjunto de Pods, e fornece garantias sobre a ordem e unicidade desses Pods.

    [+]

    Como o Deployment, um StatefulSet gerencia Pods que são baseados em uma especificação de container idêntica. Diferente do Deployment, um StatefulSet mantém uma identidade fixa para cada um de seus Pods. Esses pods são criados da mesma especificação, mas não são intercambiáveis: cada um tem uma identificação persistente que se mantém em qualquer reagendamento.

    Se você quiser usar volumes de armazenamento para fornecer persistência para sua carga de trabalho, você pode usar um StatefulSet como parte da sua solução. Embora os Pods individuais em um StatefulSet sejam suscetíveis a falhas, os identificadores de pods persistentes facilitam a correspondência de volumes existentes com os novos pods que substituem qualquer um que tenha falhado.

  • Storage Class

    A StorageClass provides a way for administrators to describe different available storage types.

    [+]

    StorageClasses can map to quality-of-service levels, backup policies, or to arbitrary policies determined by cluster administrators. Each StorageClass contains the fields provisioner, parameters, and reclaimPolicy, which are used when a Persistent Volume belonging to the class needs to be dynamically provisioned. Users can request a particular class using the name of a StorageClass object.

  • sysctl

    sysctl é uma interface semi-padronizada para ler ou alterar os atributos do kernel Unix em execução.

    [+]

    Em sistemas do tipo Unix, sysctl é tanto o nome da ferramenta que os administradores usam para visualizar e modificar essas configurações, quanto a chamada do sistema que a ferramenta usa.

    Os contêineres em execução e os plugins de rede podem depender dos valores definidos do sysctl.

  • Taint

    Um objeto principal consistindo de três propriedades principais: chave, valor, e efeito. Taints previnem a alocação de Pods em Nós ou grupos de nós.

    [+]

    Taints e Tolerâncias trabalham juntas para assegurar que Pods não sejam alocados em nós inapropriados. Uma ou mais taints são aplicadas para um . Um nó deve somente alocar um Pod com tolerâncias coincidentes com a taint configurada.

  • TLS Common Name
    [+]

    O nome comum é normalmente composto de Host + Nome de domínio e será semelhante a www.seusite.com ou seusite.com. Os certificados de servidor SSL são específicos para o nome comum para o qual foram emitidos no nível do host.

    O nome comum deve ser igual ao endereço da Web que você acessará ao se conectar a um site seguro. Por exemplo, um certificado de servidor SSL para o domínio domínio.com receberá um aviso do navegador se o acesso a um site chamado www.domain.com ou secure.domain.com, pois www.domain.com e secure.domain.com são diferentes de dominio.com. Você precisaria criar um CSR para o nome comum correto.

  • Tolerância

    Um objeto principal consistindo de três propriedades principais: chave, valor, e efeito. Tolerâncias habilitam a alocação de Pods em nós ou grupos de nós que tenham taints coincidente.

    [+]

    Tolerâncias e taints trabalham juntas para assegurar que Pods não sejam alocados em nós inapropriados. Uma ou mais tolerâncias são aplicadas para um Pod. Uma tolerância indica que o Pod está permitido (mas não requerido) a ser alocado em nós ou grupos de nós com taints coincidentes.

  • UID
    Uma string gerada pelos sistemas do Kubernetes para identificar objetos de forma única. Cada objeto criado durante todo o ciclo de vida do cluster do Kubernetes possui um UID distinto. O objetivo deste identificador é distinguir ocorrências históricas de entidades semelhantes. [+]

    Uma string gerada pelos sistemas do Kubernetes para identificar objetos de forma única.

    Cada objeto criado durante todo o ciclo de vida do cluster do Kubernetes possui um UID distinto. O objetivo deste identificador é distinguir ocorrências históricas de entidades semelhantes.

  • Upstream (disambiguation)

    May refer to: core Kubernetes or the source repo from which a repo was forked.

    [+]
    • In the Kubernetes Community: Conversations often use upstream to mean the core Kubernetes codebase, which the general ecosystem, other code, or third-party tools rely upon. For example, community members may suggest that a feature is moved upstream so that it is in the core codebase instead of in a plugin or third-party tool.
    • In GitHub or git: The convention is to refer to a source repo as upstream, whereas the forked repo is considered downstream.
  • Username

    Um nome de usuário é um nome que identifica exclusivamente alguém em um sistema de computador. Por exemplo, um computador pode ser configurado com várias contas, com nomes de usuário diferentes para cada conta. Muitos sites permitem que os usuários escolham um nome de usuário para que possam personalizar suas configurações ou configurar uma conta online. Por exemplo, seu banco pode permitir que você escolha um nome de usuário para acessar suas informações bancárias. Você pode precisar escolher um nome de usuário para postar mensagens em um determinado quadro de mensagens na web. Os serviços de e-mail, como o Hotmail, exigem que os usuários escolham um nome de usuário para usar o serviço.

    [+]

    Um nome de usuário geralmente é pareado com uma senha. Essa combinação de nome de usuário / senha é conhecida como login e geralmente é necessária para que os usuários façam login em sites. Por exemplo, para acessar seu e-mail pela Web, é necessário inserir seu nome de usuário e senha. Depois de fazer o login, seu nome de usuário pode aparecer na tela, mas sua senha é mantida em segredo. Ao manter sua senha privada, as pessoas podem criar contas seguras para vários sites. A maioria dos nomes de usuário pode conter letras e números, mas não espaços. Quando você escolhe um nome de usuário para uma conta de e-mail, a parte antes de "@" é o seu nome de usuário.

  • Variáveis de Ambiente de Contêineres

    Variáveis de ambiente de contêineres são pares nome=valor que trazem informações úteis para os contêineres rodando dentro de um pod

    [+]

    Variáveis de ambiente de contêineres fornecem informações requeridas pela aplicação conteinerizada, junto com informações sobre recursos importantes para o contêiner. Por exemplo, detalhes do sistema de arquivos, informações sobre o contêiner, e outros recursos do cluster, como endpoints de serviços.

  • Volume

    Um diretório contendo dados, accessível aos contêineres em um Pod.

    [+]

    Um volume do Kubernetes existe enquanto o Pod que utiliza ele existir também. Consequentemente, um volume dura mais tempo que qualquer contêiner que rodar em um Pod, e os dados no volume são preservados entre reinicializações do contêiner.

    Veja armazenamento para mais detalhes.

  • WG (Grupo de Trabalho)

    Facilita a discussão e/ou implementação de um projeto de curta duração, pontual ou dissociado para um comitê, envolvendo um ou mais SIG (grupos de interesse especial).

    [+]

    Grupos de trabalho (do inglês - Working Group, WG) são uma maneira de organizar as pessoas para realizar uma tarefa.

    Para mais informações, consulte o repositório kubernetes/community e a lista atual de SIGs e grupos de trabalho.

Última modificação August 24, 2021 at 5:21 PM PST: Translate ConfigMap page to Brazilian Portuguese. (cb9c4853a)