Comunicação entre Nó e Control Plane

Este documento cataloga os caminhos de comunicação entre o control plane (o apiserver) e o cluster Kubernetes. A intenção é permitir que os usuários personalizem sua instalação para proteger a configuração de rede então o cluster pode ser executado em uma rede não confiável (ou em IPs totalmente públicos em um provedor de nuvem).

Nó para o Control Plane

Todos os caminhos de comunicação do cluster para o control plane terminam no apiserver (nenhum dos outros componentes do control plane são projetados para expor Serviços remotos). Em uma implantação típica, o apiserver é configurado para escutar conexões remotas em uma porta HTTPS segura (443) com uma ou mais clientes autenticação habilitado. Uma ou mais formas de autorização deve ser habilitado, especialmente se requisições anônimas ou tokens da conta de serviço são autorizados.

Os nós devem ser provisionados com o certificado root público para o cluster de tal forma que eles podem se conectar de forma segura ao apiserver junto com o cliente válido credenciais. Por exemplo, em uma implantação padrão do GKE, as credenciais do cliente fornecidos para o kubelet estão na forma de um certificado de cliente. Vejo bootstrapping TLS do kubelet para provisionamento automatizado de certificados de cliente kubelet.

Os pods que desejam se conectar ao apiserver podem fazê-lo com segurança, aproveitando conta de serviço para que o Kubernetes injetará automaticamente o certificado raiz público certificado e um token de portador válido no pod quando ele é instanciado. O serviço kubernetes (no namespace default) é configurado com um IP virtual endereço que é redirecionado (via kube-proxy) para o endpoint com HTTPS no apiserver.

Os componentes do control plane também se comunicam com o apiserver do cluster através da porta segura.

Como resultado, o modo de operação padrão para conexões do cluster (nodes e pods em execução nos Nodes) para o control plane é protegido por padrão e pode passar por redes não confiáveis ​​e/ou públicas.

Control Plane para o nó

Existem dois caminhos de comunicação primários do control plane (apiserver) para os nós. O primeiro é do apiserver para o processo do kubelet que é executado em cada nó no cluster. O segundo é do apiserver para qualquer nó, pod, ou serviço através da funcionalidade de proxy do apiserver.

apiserver para o kubelet

As conexões do apiserver ao kubelet são usadas para:

  • Buscar logs para pods.
  • Anexar (através de kubectl) pods em execução.
  • Fornecer a funcionalidade de encaminhamento de porta do kubelet.

Essas conexões terminam no endpoint HTTPS do kubelet. Por padrão, o apiserver não verifica o certificado de serviço do kubelet, o que torna a conexão sujeita a ataques man-in-the-middle, o que o torna inseguro para passar por redes não confiáveis ​​e / ou públicas.

Para verificar essa conexão, use a flag --kubelet-certificate-authority para fornecer o apiserver com um pacote de certificado raiz para usar e verificar o certificado de serviço da kubelet.

Se isso não for possível, use o SSH túnel entre o apiserver e kubelet se necessário para evitar a conexão ao longo de um rede não confiável ou pública.

Finalmente, Autenticação e/ou autorização do Kubelet deve ser ativado para proteger a API do kubelet.

apiserver para nós, pods e serviços

As conexões a partir do apiserver para um nó, pod ou serviço padrão para simples conexões HTTP não são autenticadas nem criptografadas. Eles podem ser executados em uma conexão HTTPS segura prefixando https: no nó, pod, ou nome do serviço no URL da API, mas eles não validarão o certificado fornecido pelo ponto de extremidade HTTPS, nem fornece credenciais de cliente, enquanto a conexão será criptografada, não fornecerá nenhuma garantia de integridade. Estas conexões não são atualmente seguras para serem usados por redes não confiáveis ​​e/ou públicas.

SSH Túnel

O Kubernetes suporta túneis SSH para proteger os caminhos de comunicação do control plane para os nós. Nesta configuração, o apiserver inicia um túnel SSH para cada nó no cluster (conectando ao servidor ssh escutando na porta 22) e passa todo o tráfego destinado a um kubelet, nó, pod ou serviço através do túnel. Este túnel garante que o tráfego não seja exposto fora da rede aos quais os nós estão sendo executados.

Atualmente, os túneis SSH estão obsoletos, portanto, você não deve optar por usá-los, a menos que saiba o que está fazendo. O serviço Konnectivity é um substituto para este canal de comunicação.

Konnectivity service

FEATURE STATE: Kubernetes v1.18 [beta]

Como uma substituição aos túneis SSH, o serviço Konnectivity fornece proxy de nível TCP para a comunicação do control plane para o cluster. O serviço Konnectivity consiste em duas partes: o servidor Konnectivity na rede control plane e os agentes Konnectivity na rede dos nós. Os agentes Konnectivity iniciam conexões com o servidor Konnectivity e mantêm as conexões de rede. Depois de habilitar o serviço Konnectivity, todo o tráfego do control plane para os nós passa por essas conexões.

Veja a tarefa do Konnectivity para configurar o serviço Konnectivity no seu cluster.