Edit This Page

Padrão Operador

Operadores são extensões de software para o Kubernetes que fazem uso de recursos personalizados para gerir aplicações e os seus componentes. Operadores seguem os
princípios do Kubernetes, notavelmente o ciclo de controle.

Motivação

O padrão Operador tem como objetivo capturar o principal objetivo de um operador humano que gere um serviço ou um conjunto de serviços. Operadores humanos responsáveis por aplicações e serviços específicos têm um conhecimento profundo da forma como o sistema é suposto se comportar, como é instalado e como deve reagir na ocorrência de problemas.

As pessoas que executam cargas de trabalho no Kubernetes habitualmente gostam de usar automação para cuidar de tarefas repetitivas. O padrão Operador captura a forma como pode escrever código para automatizar uma tarefa para além do que o Kubernetes fornece.

Operadores no Kubernetes

O Kubernetes é desenhado para automação. Out of the box, você tem bastante automação embutida no núcleo do Kubernetes. Pode usar o Kubernetes para automatizar instalações e executar cargas de trabalho, e pode ainda automatizar a forma como o Kubernetes faz isso.

O conceito de controladorUm ciclo de controle que observa o estado partilhado do cluster através do API Server e efetua mudanças tentando mover o estado atual em direção ao estado desejado. no Kubernetes permite a extensão do comportamento sem modificar o código do próprio Kubernetes. Operadores são clientes da API do Kubernetes que atuam como controladores para um dado Custom Resource

Exemplo de um Operador

Algumas das coisas que um operador pode ser usado para automatizar incluem:

  • instalar uma aplicação a pedido
  • obter e restaurar backups do estado dessa aplicação
  • manipular atualizações do código da aplicação juntamente com alterações como esquemas de base de dados ou definições de configuração extra
  • publicar um Service para aplicações que não suportam a APIs do Kubernetes para as descobrir
  • simular una falha em todo ou parte do cluster de forma a testar a resiliência
  • escolher um lider para uma aplicação distribuída sem um processo de eleição de membro interno

Como deve um Operador parecer em mais detalhe? Aqui está um exemplo em mais detalhe:

  1. Um recurso personalizado (custom resource) chamado SampleDB, que você pode configurar para dentro do cluster.
  2. Um Deployment que garante que um Pod está a executar que contém a parte controlador do operador.
  3. Uma imagem do container do código do operador.
  4. Código do controlador que consulta o plano de controle para descobrir quais recursos SampleDB estão configurados.
  5. O núcleo do Operador é o código para informar ao servidor da API (API server) como fazer a realidade coincidir com os recursos configurados.
    • Se você adicionar um novo SampleDB, o operador configurará PersistentVolumeClaims para fornecer armazenamento de base de dados durável, um StatefulSet para executar SampleDB e um Job para lidar com a configuração inicial.
    • Se você apagá-lo, o Operador tira um snapshot e então garante que o StatefulSet e Volumes também são removidos.
  6. O operador também gere backups regulares da base de dados. Para cada recurso SampleDB, o operador determina quando deve criar um Pod que possa se conectar à base de dados e faça backups. Esses Pods dependeriam de um ConfigMap e / ou um Secret que possui detalhes e credenciais de conexão com à base de dados.
  7. Como o Operador tem como objetivo fornecer automação robusta para o recurso que gere, haveria código de suporte adicional. Para este exemplo, O código verifica se a base de dados está a executar uma versão antiga e, se estiver, cria objetos Job que o atualizam para si.

Instalar Operadores

A forma mais comum de instalar um Operador é a de adicionar a definição personalizada de recurso (Custom Resource Definition) e o seu Controlador associado ao seu cluster. O Controlador vai normalmente executar fora do plano de controleA camada de orquestração de contêiner que expõe a API e as interfaces para definir, implantar e gerenciar o ciclo de vida dos contêineres. , como você faria com qualquer aplicação containerizada. Por exemplo, você pode executar o controlador no seu cluster como um Deployment.

Usando um Operador

Uma vez que você tenha um Operador instalado, usaria-o adicionando, modificando ou apagando a espécie de recurso que o Operador usa. Seguindo o exemplo acima, você configuraria um Deployment para o próprio Operador, e depois:

kubectl get SampleDB                   # encontra a base de dados configurada

kubectl edit SampleDB/example-database # mudar manualmente algumas definições

…e é isso! O Operador vai tomar conta de aplicar as mudanças assim como manter o serviço existente em boa forma.

Escrevendo o seu prórpio Operador

Se não existir no ecosistema um Operador que implementa o comportamento que pretende, pode codificar o seu próprio. Qual é o próximo você vai encontrar alguns links para bibliotecas e ferramentas que pode usar para escrever o seu próprio Operador cloud native.

Pode também implementar um Operador (isto é, um Controlador) usando qualquer linguagem / runtime que pode atuar como um cliente da API do Kubernetes.

Qual é o próximo

Comentários